terça-feira, junho 13, 2006

Código Deontológico

O jornalismo como instrumento de combate político, as redacções como terreno de militância e trincheiras de combate ideológico...
Explicação de Filomena Martins, da direcção do "Correio da Manhã", sobre as formas de trabalhar o noticiário relacionado com a "extrema-direita":
"A melhor forma de lidar com esse fenómeno desprezível, xenófobo e racista, tem duas vias: o ataque, relevando o pior do que defendem sem contemplações e controlando os seus passos ao milímetro, agindo contra todas as ilegalidades; ou o desprezo, cortando-lhe campo de manobra e impedindo qualquer tipo de promoção."
Para além da alternativa entre o ataque ou o desprezo havia uma terceira hipótese, não considerada na tese mas prevista logo no artigo 1º do Código Deontológico dos Jornalistas Portugueses, aprovado oficialmente a 4 de Maio de 1993:
"O jornalista deve relatar os factos com rigor e exactidão e interpretá-los com honestidade. Os factos devem ser comprovados, ouvindo as partes com interesses atendíveis no caso. A distinção entre notícia e opinião deve ficar bem clara aos olhos do público."

7 Comments:

At 9:26 da manhã, Blogger Mendo Ramires said...

Eles confessam-se porque o Povo percebeu de que é que a casa gasta. O resultado já está à vista: as pessoas deixaram de comprar jornais e os jornalistas são tão desprezados como os políticos profissionais do sistema.

 
At 1:11 da tarde, Blogger Camisa Azul said...

Resta-nos o “DIABO”

 
At 3:12 da tarde, Blogger Mendo Ramires said...

Adenda: jornais... e revistas — é tudo a mesma trampa.

 
At 2:45 da manhã, Blogger Euro-Ultramarino said...

A democracia dos democratas.

 
At 7:19 da tarde, Blogger Jordão said...

A democracia daqueles que acham que a democracia deve combater aqueles que a combatem, para evitar que se repita o que aconteceu na Alemanha em 1933, que foi extremamente democrático.

 
At 12:50 da tarde, Anonymous Anónimo said...

Caro sr. jordão, a democracia ou o é ou não o é! Se não o é, como se passa no nosso caso (em portugal que é o que o sr. defende) então há que acabar de vez com a farsa!
O que aconteceu em 33 na alemanha foi uma eleição democrática! Mais ou menos tão democratica como a eleição do sr. socrates, do sr. lopes, do sr. barroso ou do sr. guterres!

 
At 12:56 da tarde, Anonymous Anónimo said...

O problema nunca é a eleição em si pois esta é democrática!
O problema está em que há pessoas que usam os métodos que estão bem descritos neste post!
Quem está de lado ra "razão" se é que tal existe, não tem o direito de manipular, mentir, exagerar, enfim de usar métodos iguais ou piores do que os que acusa "os maus" de usarem, pois só mostra que é igual ou pior do que os pretensos "maus"!

 

Enviar um comentário

<< Home