quarta-feira, julho 12, 2006

Los blogs en la recuperación y salvación de la memoria histórica

Um importante estudo de José Martín Brocos Fernández, em ARBIL:

Se analiza el papel de los blogs en la difusión de noticias que de otro modo no llegarían al público por el cerco mediático de intereses político-financieros creado por los oligopolios informativos. En este sentido los blogs no sólo constituyen un aire de libertad ajeno a la censura en el campo mediático, sino que dan noticias no consideradas relevantes por los medios tradicionales o que éstos, por sus múltiples dependencias, no se atreven a emitir, difundir o publicar. Así los blogs constituyen una fuente de primer orden tanto en la preservación de la memoria histórica, como en una diferente interpretación no interesada ni sesgada de acontecimientos o sucesos. El llamado “periodismo participativo” del siglo XXI ha convertido a cada ciudadano en transmisor de su historia y sus experiencias concretas, en fiel transmisor de un presente que precede al pasado.

3 Comments:

At 11:11 da tarde, Blogger Francisco Múrias said...

É verdade - mas para preservar essa memória histórica cada um de nós devia imprimir o que escreve e enviar para a Biblioteca Nacional ,para a Biblioteca de Paris e para a Biblioteca do Congresso

Porque um dia apaga-se a luz e vai tudo para o lixo

Eu não faço porque não tenho caroço mas quem possa, faça.

 
At 2:45 da manhã, Blogger maria said...

Completa, mas completamente d'acôrdo. E faço minhas as palavras de Francisco, acima. Os administradores de Blogs - cujos excelentes textos têm maior valor intrínseco (todos eles deveriam ser salvaguardados e guardados em arquivo expecífico, não só porque honram quem os escreve, honram Portugal e honram os portugueses, mas também para conhecimento dos vindouros, porque e não tenhamos dúvidas, uma História de Portugal ISENTA há-de um dia ser escrita por gente de bem, sobre o período negregado que atravessamos e para tal ela terá forçosamente que passar por aqui, pelos Blogues) do que todos os artigos, com raríssimas excepções, de todos os jornais desde há 15 ou 20 anos a esta parte - deviam obrigatòriamente mandar imprimir todos os seus textos com urgência, antes que desapareçam por 'artes mágicas' e para todo o sempre. Neste preciso momento, se é que já não há mais tempo e sabe-se lá porque bulas, já os 'guardadores de rebanhos' mundialistas se aprestam para, de um modo subreptício mas eficaz - nem os Povos fazem a menor ideia do que aqueles cérebros diabólicos são capazes de inventar para destruír seja lá o que fôr, ou quem fôr, no mundo, incluíndo Povos inteiros se necessário, para atingirem os seus objectivos - silenciar aquele que é até ao momento, o único meio de comunicação global efectivamente livre de que os Povos dispõem e que os está a incomodar, melhor, a assustar muitísimo porque totalmente fora do seu controlo! O que eles realmente temem são as grandes massas, as grandes multidões, o perigo de uma revolta mundial dos Povos deixa-os transidos de medo. Deve ser, aliás, o único perigo que eles verdadeiramente receiam ter de enfrentar um dia. Que deve estar mais próximo do que muita gente (e até eles próprios) julga.


Maria.

 
At 11:25 da manhã, Blogger Jorge Arbusto Sr. said...

Li e gostei, agora aderi ao "spam":

Hoje!

O combate político está a destruir o país lentamente, provocando nos cidadãos a ideia de que todos os políticos são corruptos, incapazes, estão a prazo e são iguais.

Esta verdadeira “maré negra”, leva o cidadão comum a não acreditar em nada, começando por não acreditar em si próprio.

Julgando-se permanentemente vítima do sistema, resta-lhe a opção mais fácil e perigosa, que é enganar e aldrabar ele também o sistema, fazendo desta atitude um passatempo nacional.

O desafio da Magazine – Grande Informação é reconciliar ambas as partes, estimulando e fazendo a classe dirigente interpretar com justeza as aspirações de todos nós, dando-nos respostas rápidas, eficazes e duradouras.

Pretendemos chamar todos os portugueses a tomarem parte nesta dinâmica, aproximando o “poder” da “rua”, e a “rua” do “poder”.

Este combate é possível, positivo e não faz sangue, é um combate de carinho, amor e paixão pelo futuro dos nossos filhos.

Do engenheiro ao sapateiro, do feirante ao comerciante, do júnior ao sénior, todos estão convocados e todos têm lugar em campo.

Chegou a hora de perguntarmos o que podemos fazer pelo país e não o contrário.

A nossa revista não quer ficar de fora e, por isso, desde já nos comprometemos a acompanhar esta “caminhada”.

A Magazine – Grande Informação terá 4 eixos.

Economia & Política, entendemos que política e economia não são para uso “doméstico”, o país só anda para a frente quando todos perceberem que a tripulação somos todos e que todos têm de remar, deixando de lado interesses mesquinhos e pessoais, passando por cima de pequenas rivalidades e pondo o interesse de todos acima do interesse de alguns. Sabemos que a prestação pessoal tem de ser recompensada, que a saudável competição estimula a produção de riqueza, que se for bem distribuída fará o país andar para a frente, premiando os vencedores, mas não esquecendo também os menos afortunados.

Sociedade & Família a família é hoje o “elo mais ameaçado” da sociedade, mas indiscutivelmente também o elo mais importante, a Magazine assume-se como defensora da instituição família, estimulando e apoiando sempre que possível as famílias no seu dia-a-dia, nos seus altos e baixos, tendo sempre presente, que a família é e será sempre o último reduto num mundo cada vez mais conturbado, agitado e egoísta.

Lusofonia & Mundo, a grande aposta da revista, criando uma plataforma de diálogo e encontro de culturas para a grande família dos 170 milhões que falam e pensam em português.

Saber & Lazer, todos gostamos de alargar os horizontes e estar na crista da onda.

A Magazine – Grande Informação quer ser o elo de união, formando, informando e, se possível, distraindo os seus leitores.

Por isso, caro leitor/a, desde já lhe agradecemos poder contar consigo todos os meses.
Otto Czernin
Retirado da Magazine Grande Informação, Dezembro de 2005

 

Enviar um comentário

<< Home