sexta-feira, maio 02, 2008

Engenharia aplicada: o caso de Mora



De repente, o Concelho de Mora viu-se a fazer parte de uma nova unidade territorial, com centro em Portalegre. Não se vislumbram razões, nem históricas, nem geográficas, nem outras (confessáveis) que possam explicar a mudança. Aliás, ninguém ainda forneceu nenhuma explicação - como se a populaça não tivesse nada com isso. Não se trata de assunto que alguma vez tivesse provocado polémica, ou cause divisão de opiniões entre os munícipes: estes sempre foram pacificamente do Distrito de Évora, e nunca se colocou outra hipótese. Nem nunca foi apresentada por aqueles que decidem, num gabinete em Lisboa, sem certamente conhecerem Mora. Quando surgiu a notícia, muita gente pensou que era simplesmente um engano. Mas não é: na nova organização administrativa as populações de Mora, de Brotas, de Cabeção, de Pavia, ficam ligadas a Portalegre, sem que alguma vez lhes tivesse sido pedida opinião.
O Eduardo Cabrita é que sabe, e manda.
Trago esta questão para aqui porque me parece significativa do desprezo e da arbitrariedade com que esta burocracia socialista trata as gentes que o destino lhes pôs nas mãos.
(créditos do slideshow ao BLOGMORA)

1 Comments:

At 4:56 da tarde, Anonymous LUSITANO said...

Mas desde quando é que a arraia miúda tem voto na matéria?
Quem decide são os Senhores,
decidiu-se, está decidido.
Então não gostaram da ditadura do Salazar?
Agora aguentem lá esta, que já estão habituados!
Mas ainda levam este regime a sério???
Então, ainda estão mais malucos do que eu!

LUSITANO

 

Enviar um comentário

<< Home