segunda-feira, junho 02, 2008

Um julgamento do regime?

Está marcado para o próximo dia 9 de Junho o início do julgamento de António Balbino Caldeira, do blog Do Portugal Profundo, no processo instaurado por Paulo Pedroso devido à cobertura que o blogue foi dando sobre o evoluir do caso conhecido como da Casa Pia.
Através do Público, ficou a conhecer-se a lista das testemunhas de acusação:
Ferro Rodrigues, Vieira da Silva, António Costa, Jorge Sampaio, Jaime Gama, Miguel Júdice, Manuel Alegre, Almeida Santos, Vera Jardim, António Guterres, Mário Soares e José Sócrates.
Como se comenta na Grande Loja, "são estas testemunhas que integram o PS histórico e o seu actual estado-maior que se preparam para prestar juramento em tribunal, assegurando dizer a verdade sobre o que lhes irá ser perguntado. Pelo tribunal, por quem os indicou e pela defesa do arguido que responde por uma caterva de crimes de difamação, por causa do que escreveu num blog, onde exprimiu o seu direito de opinião". (...)
"Ao confundir, mais uma vez, um tribunal com as escadarias da AR, o poder político associado ao queixoso deixa uma mensagem inequívoca de solidariedade entre correligionários. Uma mensagem, mais uma vez errada e deslocada".
Há julgamentos que são só por si uma condenação viva dos acusadores. Seja qual for o resultado.
Pela nossa parte, exprimimos a nossa firme solidariedade a António Caldeira.
E fazemos votos para que aquele tribunal possa efectivamente portar-se como um tribunal verdadeiro.

6 Comments:

At 3:38 da manhã, Blogger António Balbino Caldeira said...

Muito grato pela solidariedade de sempre, Manuel.

Vamos ver como corre. Manda-me a reserva de fé na lei e na sua execução que continue a esperar a neutralidade do tribunal.

De qualquer modo, tenho consciência do poder da outra parte. E da força moral da nossa.

 
At 2:17 da tarde, Blogger vitório rosário cardoso said...

Este comentário foi removido por um administrador do blogue.

 
At 3:40 da tarde, Blogger Manuel said...

Usurpar a identidade alheia é um procedimento repugnante.
Ainda mais quando ao abrigo do nome roubado se anda a espalhar na internet o lixo de que se é feito.
A mensagem anterior foi eliminada por isso mesmo.

 
At 9:41 da manhã, Anonymous Anónimo said...

Celso, não sejas assim criatura.

 
At 11:17 da tarde, Anonymous Anónimo said...

Ontem escrevi um comentário a este propósito, deixei-o no computador pronto para o enviar hoje mas perdeu-se porque não o guardei, como é meu hábito. Não costuma acontecer e frequentemente adopto este sistema, excepto quando eu toco em matérias sensíveis como esta da pedofilia. Se não envio logo os comentários eles desaparecem como fumo...

O Dr. António Caldeira é um Herói. E os Heróis não se julgam, honram-se. Se houvesse alguma vergonha na cara desta politicagem repugnante e desavergonhada que finge que nos governa - e que deu cabo de Portugal e entre outras acções horrendas a que submeteu este infeliz Povo, cujas culpas hão-de um dia, Deus o queira, ser expiadas no mesmo local onde agora se apresentam como (sórdidas) testemunhas, mas no futuro como réus para serem julgados e punidos, introduziu no País uma rede de pedofilia que abrange a grande maioria dos políticos conhecidos e desconhecidos, para além de gente importante da sociedade civil, passando pelas gentes do espectáculo, das artes e da comunicação social, todos a 'trabalhar em rede' e circuito fechado e se porta como uma seita secreta do mesmo ramo, que o é de facto, pois durante dezenas d'anos, segundo testemunhos credíveis das próprias vítimas, angariou milhares de crianças pobres e orfãs à sua guarda num estabelecimento do Estado, para única e exclusiva satisfação dos abjectos vícios de seus membros, instituição que em primeiríssimo lugar as deveria ter protegido de todos os males da sociedade - nem sequer deveria apresentar-se em defesa de alguém a quem as vítimas apontaram o dedo acusatório como seu próprio abusador sexual. O Dr. António Caldeira não deveria ter sido sequer processado e muito menos ir a julgamento. Quem deveria estar a responder como réu às acusações que sobre si pendem é quem o processou. Este Herói tem perdido, ou ganho, anos de vida a defender as crianças mais pobres dentre as pobres, vítimas que foram de abusos sexuais por tudo quanto é gente rica e poderosa deste País e o que tem recebido em troca, são insultos, ultrajes e difamações. Estas crianças e jovens são humildes e pobres, não podem pagar milhões a advogados como os pedófilos que se passeiam desavergonhadamente, ainda à solta, por todo o lado, a única arma que possuem em sua defesa é A SUA VERDADE. E ela acabará por vencer, mais tarde ou mais cedo. Os nomes altissonantes que se preparam para defender o 'bom nome' dessa criatura (cujo nome não escrevo por me causar repugnância) que moveu um processo ao Dr. Caldeira, deviam no mínimo ter algum recato e desaparecerem para sempre deste país, por todos os motivos e mais um. E para que esteja salvaguardada a integridade de todas as crianças indefesas e pobres à guarda do Estado.
O que na verdade os põe possessos é o facto de um discreto professor universitário, até há pouco tempo um anónimo cidadão, não ter medo deles e escrever preto no branco as verdades puras e duras sobre a podridão moral que grassa no meio desta sórdida classe política que tem desgovernado o nosso país desde que cá se introduziu fraudulentamente há quase 4 décadas e, ainda por cima, ter a coragem de denunciar os vícios nojentos que os enformam e, mais, não se acagaçar perante ricos e poderosos protegidos por seitas secretas internacionais e de os enfrentar olhos nos olhos e de igual para igual, imagine-se o desplante!, em pleno tribunal. Mas afinal quem julgam eles que são? Eles sabem porventura qual a opinião que o povo tem das suas reles pessoas? O povo português tem a perfeita noção de que 99,9999999999999999999% dos pedófilos denunciados pelas vítimas são culpados dos crimes cometidos. E de que 100% das vítimas FALA VERDADE. Basta olhar para os nomes das testemunhas arroladas pelo queixoso para nos capacitarmos de que, embora faltem muitos outros tão ou mais malandros, estes por si só representam os maiores traidores e principais coveiros de Portugal, para além de, segundo as próprias vítimas e o povo português é disso testemunha, serem sinónimos da mais profunda sordideza que imaginar se possa e ainda têm a suprema desfaçatez de ir testemunhar a favor de uma criatura apontada a dedo por múltiplas crianças e jovens e sem margem para qualquer erro, como um dos seus próprios abusadores sexuais e inacreditàvelmente contra um verdadeiro Herói e talvez o maior defensor em Portugal das mesmas. Realmente é preciso ter muita lata e nenhuma vergonha!
Se houver uma Justiça Verdadeira no nosso País, o que francamente se duvida embora haja honrosíssimas excepções, neste risível julgamento - mais um sórdido acto da mesma farsa de sempre representada pelos do costume, metamorfoseada numa coisa muito séria e com o Povo a assistir... - o réu será ilibado de qualquer culpa acto continuo e o processo de imediato arquivado. Se houver uma JUSTIÇA JUSTA.

Já agora pede-se encarecidamente à Verdadeira Justiça que termine ràpidamente o vergonhoso Processo Casa Pia, que se arrasta propositadamente vai para seis anos e que prenda todos os pedófilos que impensàvelmente abusaram sexualmente de milhares de crianças durante 3 longas décadas, todos eles amplamente referenciados pelas próprias vítimas e no entanto continuam todos à solta... As vítimas agradecem e o Povo Português também.
Para que o País se reencontre e recupere por uma vez a Paz perdida.

Maria

 
At 8:39 da manhã, Anonymous Anónimo said...

Pois é, Maria.
A questão, para mim ainda mais grave, é que quem apresenta uma acção destas em tribunal, sem base de sustentação e a denegrir quem persegue, não é de imediato castigado, suspenso de tudo, com punição exemplar de acordo com o que o Povo - que, afinal, o tal tribunal diz representar -reclama.
Resumindo, o Povo não tem voz nem quem o defenda. A imensidade de bandidos que, como diz - e bem -, andam por aí à solta e impunes, não são julgados e condenados como deveriam ser por que todos fazem parte da seita criminosa que tem o poder desde o malfadado 25 de Abril de 1974.
Todos e não é preciso fazer uma lista. Necessário é pôr os momes aos bois: Álvaro Cunhal, Mário Soares, Almeida Santos, Freitas do Amaral, Rosa Coutinho, Otelo Saraiva de Carvalho, Ramalho Eanes - e eles são tantos que, para começar, estes chegam.

Nuno

 

Enviar um comentário

<< Home