quinta-feira, maio 28, 2009

"A Arma Secreta"

“A arma secreta” é o título de uma crónica do eurodeputado cessante do CDS-PP, José Ribeiro e Castro. Para quem esteja distraído, é importante reparar que o partido de Paulo Portas não é apenas um cálculo mesquinho sobre as legislativas, das quais espera sair em posição de se tornar uma espécie de avençado de José Sócrates, ou, por outras palavras, um partido a recibos verdes contratado por um PS sem maioria absoluta. Não, o actual CDS não é apenas isso: é pior.

“Amigos meus criticam-me o facto de não abordar o CDS-PP nestas crónicas. Têm razão. Por isso, reparo a omissão.
No anúncio da lista para o Parlamento Europeu, o CDS indicou que busca eleger três candidatos. O falado trio de cabeças-de-lista tinha esse propósito. E, há dias, Paulo Portas assegurou que o seu partido será o que mais vai subir. A aposta é forte.
Tem surpreendido, assim, que a candidata número 3, a deputada Teresa Caeiro, vice-presidente do partido, a mais-valia decisiva da lista e baliza da ambição de conquista, ainda não tenha aparecido: nem na pré-campanha, nem nesta primeira semana. Nuno Melo anda com o líder do partido. Diogo Feio já apareceu. Mas de Teresa Caeiro… nada! Até poderia dar a ideia de que pretendem mantê-la escondida.
O meu pensamento é outro: está certamente guardada para a última semana, como a arma secreta do CDS-PP, trampolim para a eleição dos três eurodeputados.
Não seria a primeira vez que Teresa Caeiro faz esse sacrifício dos últimos minutos. No referendo para liberalização do aborto, em 2007, a deputada Teresa Caeiro aguardou exactamente o último dia de campanha para anunciar na imprensa, dois dias antes do voto, que divergia do partido e não votaria “Não”. Deixou a ideia de que votou “Sim”. E, seguindo essa linha, tem-se destacado também na defesa do casamento homossexual, afirmando, em entrevista, sentir a missão de mostrar que a direita não é tacanha e retrógrada.
A posição estratégica como terceira candidata traduz por certo a exposição desta nova modernidade pela direcção do CDS-PP. E nisso assenta a minha convicção de que Teresa Caeiro não está escondida; antes guardada para arrasar na recta final em defesa da liberalização do aborto e do casamento homossexual, temas que são frequentes nos debates no Parlamento Europeu.”

José Ribeiro e Castro

1 Comments:

At 12:05 da manhã, Blogger Lory said...

De facto a Direita não é tacanha e retrógada. O que acontece, e é uma pena que assim seja, é que as pessoas que não são de Direita se incluam nela com ideias de Esquerda.

Eu ouvi o José Ribeiro e Castro numa Conferência sobre as europeias promovida pela Federaçao Portuguesa pela Vida, e é um pena ele abandonar o paralamento Europeu, onde fazia um trabalho, que com o sucesso possível (como ele disse, é dificl fazer alguma coisa, visto que são muito poucos,) lá ia defendendo os valores da vida e da família.
O CDS perde um bom eurodeputado e lança-se num perigo que pode torná-lo ainda menos credivel, visto lançar 3 dos nomes de destaque na actual direcção, mas com o fantasma da derrota desastrosa de Telmo Correia, outro dos elementos do núcleo forte, em Lisboa.
A questão que se coloca é saber quem pode substituir o Paulo Portas?

Um Abraço caro Manuel

 

Enviar um comentário

<< Home