quarta-feira, junho 24, 2009

No ocaso do "Sexo dos Anjos"

Um blogue pode ser um passatempo, um entretenimento fútil, um instrumento lúdico, um estendal narcisista. São utilizações correntes, e legítimas.
Porém, no meu caso, desde o início estava claro que não procurava forma de ocupar o tempo, nem pretendia brincar, ou divertir-me, nem, tanto quanto me é possível afirmá-lo, exteriorizar paixões narcisas.
Tratou-se, assumidamente, de um projecto, com objectivos e programa, que visavam concretizar uma ideia de serviço e de missão. Já aqui falei disso, e não vejo motivos, nem falsos pudores, que me aconselhem a não o reafirmar. Para quem saiba ler e se der ao incómodo de verificar os escritos da fase inicial, no Verão de 2003, em que hesitantemente procurava a forma e o registo adequados, tudo estava expresso, explicitado, desde o começo.
O balanço apresenta-se positivo, prestes que estamos a atingir seis anos de presença contínua, na prossecução do rumo traçado em Julho de 2003?
Em termos meramente contabilísticos, o balanço pode dizer-se positivo. É assim, porque colocando num dos pratos da balança tudo o que havia no momento da partida e no outro tudo o que existe agora, e considerando tudo o que se foi fazendo nesse intervalo temporal, obviamente que se constata que o peso está todo a pender para este lado.
Todavia, o balanço é satisfatório? Essa é outra questão, e a resposta também. O balanço não pode deixar ninguém satisfeito. Se não podemos conformar-nos por não existir nada, também não podemos dar-nos por satisfeitos quando o que existe (seis anos passados!) é manifestamente pouco (e frequentemente ruim).
O que faltou, então? Creio que faltou, sobretudo, material. Quero eu dizer, material humano. Com a qualidade necessária.

9 Comments:

At 1:57 da tarde, Blogger NC said...

Por vezes apetece parar tudo, no entanto penso que ninguém quereria voltar atrás onde a falta de esclarecimento era total. Blogues desta qualidade contribuem de forma importantíssima para o esclarecimento da verdade. Sem dinamizadores tudo será mais lento, e a degradação avança tão depressa.
Compreendo-o bem.

Força e Fé.

Cumprimentos,

 
At 4:56 da tarde, Blogger Skedsen said...

Estou consigo caro Manuel.Entendo perfeitamente bem o seu estado de espírito,e sei o quanto é difícil que nos ouçam.As massas estão muito mais entretidas com as suas triviais preocupações materiais do que com outras coisas mais importantes.Eu próprio que tenho um blogue desde o início do ano,fico com a sensação de que a maioria está a borrifar-se com o que se possa lá dizer e tentar fazer ver.Sou um leitor do seu blogue há já algum tempo e queria dizer-lhe,que independentemente do que possa vir a fazer,ficar-lhe-ei sempre grato pela qualidade dos seus textos e das suas intervenções.
Um abraço amigo.

 
At 9:11 da tarde, Blogger Manuel said...

Esta conversa não tem por destinatárias "as massas"... destina-se muito directamente aos que tinham (e têm) a responsabilidade de "levedar a massa"... E aí é que está a questão. O problema não está na massa, está no fermento.
Pela parte que me toca nas vossas palavras, muito obrigado.

 
At 9:43 da tarde, Anonymous Anónimo said...

"... faltou material humano... com a qualidade necessária". Parece ser verdade. Daí que seja urgente encontrá-los e motivá-los, porque os há de certeza.
Se dúvidas houvesse bastaria ler as múltiplas e brilhantes páginas que perpassam na blogosfera, testemunhos inequívocos da enorme coragem e igual patriotismo de quem as assina. Além dos milhões de heróis desconhecidos que há por aí, que não podem ou não sabem expressar-se por e nestes meios. Nem poderia ser doutro modo numa Nação a caminho dos mil anos d'existência, em cujo seio um tão grande número de ilustres guerreiros germinou e dela brotou. Consequentemente recuso-me a acreditar que os não haja. Mas se os há onde estão eles? Esta é que é a grande questão. Talvez a esses lhes faltem outras motivações e ainda mais exemplos patrióticos para se chegarem à linha da frente, porventura maiores, se tal é possível, do que os que diàriamente se vêm beber nos seus escritos. Não esquecendo os inúmeros Blogs cujos extraordinários contributos para a causa de uma Pátria Nobre e Independente e livre dos males que a afligem são igualmente dignos de nota muito alta e máximo orgulho dos portugueses. Felizes daqueles que têm a oportunidade de os ler. Porém os que há - os guerreiros dentro e fora da blogosfera - são ainda poucos, está à vista, há necessidade de muitos mais. Não desarmemos e tenhamos a Fé. Eles hão-de aparecer. Não foi em períodos de grande crise nacional, dos muitos e graves que Portugal atravessou, que do meio do nada surgiu sempre Alguém que muitas vezes a troco da própria vida levou Portugal à Vitória? Tal como agora, também então terá havido muita desmotivação e não menor desmoralização e contudo na grande maioria das vezes estas falhas (temporárias) de carácter foram vencidas. E foram-no porque em todas as alturas em que a Nação perigou houve sempre um punhado de Grandes Homens que munidos de uma bravura e intrepidez inexcedíveis, disseram presente!, tendo milhares d'outros seguido-lhes o exemplo.
Só com gentes valentes, patriotas e destemidas é que as batalhas são vencidas.
Maria

 
At 1:02 da manhã, Anonymous Anónimo said...

Estimado Manuel

Aprendi muito no seu blogue. Sobre Portugal, os portugueses, o que somos e podemos ser.

Continuemos, claro!

AMarques

 
At 10:30 da manhã, Blogger Manuel said...

Da Maria e do António Marques não esperava senão palavras de encorajamento.
Mas a realidade impõe-me a tomada de decisões.
Mudanças importantes na minha vida, e o que me parece ser o esgotamento do "Sexo dos Anjos", levaram-me a estabelecer um termo final.
Entretanto irei explicando o possível.

 
At 11:37 da manhã, Anonymous Anónimo said...

Olhe que seu blog é lido em terras muito mais distantes do que imagina. Continue que estamos consigo.

 
At 2:28 da tarde, OpenID atrida said...

Então o Manuel encoraja meio mundo a prosseguir o bom combate e depois pensa em fechar o tasco?
Espero que seja uma fase passageira. A blogosfera sem O Sexo dos Anjos nunca mais seria a mesma.

 
At 2:37 da tarde, Blogger Manuel said...

É verdade, tenho passado estes anos todos a encorajar este mundo e o outro a prosseguir o bom combate.
E também é verdade que chegou o momento de pensar em fechar este tasco.
Já existe decisão a esse respeito.
Todavia, creio firmemente que não se trata de desistir de nada.
Trata-se antes de reconhecer que algo se esgotou, e que as circunstâncias obrigam a tomar decisões. Ainda haverá mais explicações a esse respeito, lá mais para a frente.

 

Enviar um comentário

<< Home